Policial militar que passou mal em curso, tem suspeita de morte cerebral.Ele desmaiou durante uma atividade para ingresso no Bope - Camaçari Aquitem | O seu portal de notícias de Camaçari

Policial militar que passou mal em curso, tem suspeita de morte cerebral.Ele desmaiou durante uma atividade para ingresso no Bope

Anuncio
Resultado de imagem para treinamento bope
imagem meramente ilustrativa .
Um soldado da Polícia Militar está sob suspeita de ter sofrido morte cerebral. Rafael Tourinho de Aragão, 32 anos, desmaiou e sofreu uma parada cardíaca durante um treinamento para ingresso no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), na última sexta-feira (28).
Um protocolo médico foi aberto, nesta terça-feira (31), para atestar a posível morte cerebral. Rafael estava na piscina, realizando uma  atividade aquática quando passou mal. Ele está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Subúrbio e o quadro de saúde dele se agravou nas últimas 48 horas, de acordo com as informações do boletim médico liberado no final da tarde de ontem (30). A informação foi confirmada em nota pela Polícia Militar.
De acordo com informações da assessoria da PM, a máscara de mergulho que Rafael usava alagou quando ele estava na piscina. "Ele foi atendido por equipe médica e transportado por uma aeronave do Grupamento Aéreo (Graer) até o hospital", informou a nota.

Além dos médicos do departamento de saúde da PM, policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) têm acompanhado diariamente a emissão dos boletins de saúde e levam os familiares do soldado Rafael, mãe e namorada, para acompanharem a atualização do quadro de saúde.
A corporação diz em nota que lamenta a situação e diz que tem prestado suporte aos familires do militar.
Curso
Rafael entrou na polícia em 2013 e fazia um curso de duração de 5 meses. A atividade que ele fazia pertencia ao módulo de operações aquáticas, que é  composto por diversas  exercícios e provas para que o aluno consiga demonstrar domínio na flutuação, apneia estática e dinâmica, natação utilitária, salvamento aquático, entre outros. Todas as etapas são acompanhadas passo a passo pelo instrutor e por equipe médica.
Conforme a PM, na atividade de mergulho os alunos utilizam a máscara e são preparados, inclusive, para agir em situações de máscara alagada, ou seja, quando entra água no equipamento. A instrução faz o treinamento em ambiente controlado para que o aluno não entre em pânico caso aconteça esse tipo de situação.
Ainda segundo a assessoria,  as atividades do curso  envolvem "alto risco de complexidade".

De acordo com o coordenador da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e de seus familiares, Soldado Prisco, o curso do Bope é uma "caixa preta". "É um curso muito nebuloso. Nós já tivemos cinco mortes em três anos, porque não existe uma fiscalização. As pessoas se fecham e morrem lá dentro", afirmou.
fonte:correio da Bahia

Tecnologia do Blogger.