'O primeiro é seu', disse atirador antes de matar jogador em Salvador - Camaçari Aquitem - O seu portal de notícias de Camaçari e RMS

'O primeiro é seu', disse atirador antes de matar jogador em Salvador

Adsense
]Edinei com a mulher e o filho: após ser baleado, ele pediu para amigo cuidar dos dois (Foto: Reprodução/Arquivo da família)
O tiro que matou o jogador de basquete amador Edinei Moreira Bahia, 30 anos, não foi disparado de forma aleatória. Essa foi a informação passada pelos amigos que estavam com ele quando tudo aconteceu, na madrugada de domingo (5). Além de Edinei, outras duas pessoas foram baleadas durante o ataque, ocorrido por volta das 4h no Largo de Santana, um dos mais movimentados do bairro do Rio Vermelho, em Salvador.
O motorista Josualdo Cardoso, 26, contou que ele, junto com Edinei e outros três amigos, entraram em uma boate que fica na região por volta de 1h30. O grupo pediu alguns baldes de cerveja e o jogador aproveitou o momento para fazer algumas selfies. Os amigos seguiram se divertindo até notarem que um dos baldes havia desaparecido.
"Ele (o atirador) reclamou que um balde de cerveja dele havia sumido, e um dos nossos também sumiu. Na hora, Edinei falou com ele que a gente também tinha sido roubado, e reclamou que isso era um absurdo. Ele até chamou o garçom para reclamar", relatou Cardoso.
O amigo da vítima contou que depois de atirar em Edinei, o homem virou para outro amigo do jogador de basquete e disparou. O rapaz conseguiu correr, mas os tiros acertaram José Raimundo de Jesus, que passava no momento. O assassino fez mais alguns disparos, o que provocou correria e empurra-empurra no largo, que estava lotado. Cardoso disse que escapou porque conseguiu se abrigar em uma rua próxima, mas uma das balas acertou o ambulante Rui Moreira Bispo, 61, que trabalhava no local. Depois disso, o assassino, que segundo parentes da vítima, é um policial militar, fugiu.
Preocupação com a família
Edinei foi socorrido pelo amigo de infância e também jogador de basquete, Alexsandro Barbosa, 30, para o Hospital Geral do Estado (HGE). Ele chegou na unidade de saúde com vida, mas não resistiu ao ferimento. O amigo contou que a todo instante o jogador pedia para que ele tomasse conta da família dele. "A gente combinou de se encontrar, mas eu cheguei muito tarde. Nem entrei na boate, nos encontramos na saída. Quando o cara atirou nele, eu estava do lado. Ele só não mirou em mim porque não sabia que eu era amigo de Edinei", analisou a testemunha.
Atirador em selfie
Toda a ação foi registrada por câmeras de vídeo da região. A família e os amigos da vítima contaram que o assassino aparece também em uma das selfies feitas por Edinei, na boate. Ele estava com um amigo no momento do crime e já teria sido identificado. O PM mora na Federação, conforme os parentes da vítima, que não cederam a selfie feita por Edinei.
O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A Polícia Civil disse que seis pessoas foram ouvidas sobre o crime até o momento, mas não passou detalhes da investigação. Procurada, a Polícia Militar respondeu que o DHPP investiga o crime de forma a identificar o autor dos disparos e que aguarda a investigação da Polícia Civil para formalizar uma resposta sobre o caso.
Oportunidade fora
Edinei tinha 20 anos quando deixou o bairro de Alto de Coutos, no Subúrbio Ferroviário, para tentar a vida no Rio de Janeiro. Ele se mudou com a esposa, Janecleia Santos, então com 17 anos. O casal passou a morar no bairro da Vila Madalena, onde ele continou jogando basquete e começou a trabalhar como estofador para algumas emissoras de televisão.
Alguns anos depois, o pai, a mãe e a única irmã dele também mudaram para o Rio. A família contou que nos últimos anos o casal abriu um trailer onde vendida bebidas, e trabalhava com promoção de eventos. A última vez que Edinei esteve em Salvador foi em outubro do ano passado. No mês seguinte, ele perdeu o pai, que está enterrado no Rio.
Na última sexta-feira (3), ele desembarcou no Aeroporto Internacional de Salvador para passar seis dias na cidade. Visitou amigos de infância em Fazenda Grande do Retiro, e foi até a praia da Ribeira. No sábado, participou de um jogo de basquete no Iceia, no Barbalho, depois saiu com os amigos para comemorar a vitória na partida. O grupo esteve também no Imbuí e, em seguida, foi para o Rio Vermelho.
"A ironia de tudo isso é que quando a gente estava no Imbuí, ele disse que queria ir para outro lugar porque ali era muito exposto. Queria um lugar fechado para se sentir mais seguro. Então, fomos para o Rio Vermelho. Pagamos R$ 10, cada um, para entrar", relembra Cardoso.
Dor e desamparo da família
A esposa, o filho, a mãe e a irmã de Edinei chegaram no Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Salvador às 19h12 desta segunda-feira (6), após passarem mais de 24 horas na estrada. Eles saíram da Vila Madalena por volta das 18h de domingo (5). Janecleia contou que a família do jogador que mora na Bahia disse para ela que Edinei sofreu um acidente, antes de dar a notícia completa. Emocionada, a mãe de Edinei, Vanda Moreira, 50, precisou ser amparada pelos familiares. Ela teve dificuldade para caminhar até a sala do IML, onde fez o reconhecimento do corpo do jogador. 
A Liga Super Basketball afirmou que Edinei Bahia já havia sido campeão do estadual amador no Rio de Janeiro vestindo a camisa do Perphorma, em 2011. Ele também jogou pelo Bad Angels e Anchieta Fears. Fonte: Jornal Correio*

Tecnologia do Blogger.