'Cirurgião das estrelas', Dr. Rey pretende se candidatar como Presidente para concorrer com Bolsonaro e Lula em 2018 - Camaçari Aquitem - O seu portal de notícias de Camaçari

'Cirurgião das estrelas', Dr. Rey pretende se candidatar como Presidente para concorrer com Bolsonaro e Lula em 2018

SAO PAULO, SP - 29.06.2014 - Dr. Rey Convencao Estadual do PSDB realizada no Centro Centro de Exposicoes Imigrantes que teve a presenca de Geraldo Alckmin, Aecio Neves e Jose Serra. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress, PODER)
De olho no pleito de 2018, o Dr. Robert Rey, cirurgião plástico brasileiro de Hollywood está em pré-campanha nas redes sociais. Ele é a mais nova aposta na volta do Prona (Partido de Reedificação da Ordem Nacional), o extinto partido do lendário Enéas Carneiro.

Rey foi candidato a deputado federal pelo PSC (Partido Social Cristão) em 2014, mas, não foi eleito –obteve 21.371 votos. Ele atribui a derrota ao sistema eleitoral e à corrupção. "Me pediram um 'cachezinho' depois da votação, para manipular a urna. Achei absurdo", revela.

"Gastei várias solas de sapato, roupas e não vi um candidato sequer nas ruas. Eu estive todos os dias nas ruas", ressalta.
A decepção, no entanto, não o desanimou para se lançar como pré-candidato à Presidência.

Após as eleições de figuras midiáticas como João Doria (PSDB), além de Enéas, no passado, Rey está otimista e diz acreditar em renovação política.
"Eu sou uma pessoa da mídia. E ela tem o poder de escolher bons candidatos", diz.
Para ele, um dos problemas do país é a pouca renovação nas figuras políticas, pelo fato de famílias tradicionais se manterem anos no poder. "Precisamos de pessoas novas, cultas, empreendedoras que tiveram experiência lá fora, onde viram as coisas funcionar", afirma.

"Vamos chamar esses brasileirinhos que tiveram a chance de ver as coisas funcionando", sugere.
Rey sonha que o sistema eleitoral brasileiro seja um dia igual ao norte-americano. "O voto tem que ser no papel. Vamos ter sistema de votos por distrito, pois não há como mentir", afirma.

Aos 55 anos, sendo mais de 40 deles morando nos Estados Unidos, além de uma breve passagem pela Alemanha, Rey diz estar preparado desde 1986 para o Planalto -cursou mestrado em Políticas Públicas pela Universidade de Harvard, onde também se formou em Medicina.
Além da formação acadêmica, tem muitos empreendimentos pelo país. Nos últimos três anos, cogitou outras siglas, mas os rumos mudaram com os desdobramentos da Operação Lava Jato.
Diante da situação, decidiu se engajar na volta do Prona, que já atingiu a meta de 500 mil assinaturas e está em processo de formalização.
"Não consegui encontrar um partido que não tivesse a lama na Operação Lava Jato. Sou um brasileirinho que vai ser um grande presidente", afirma.
Ele quer trazer de volta a 'pura direita', inspirada no modelo de gestão norte-americano, o qual vê como saída para a crise econômica e o combate à corrupção.
Além de Enéas, tem como espelhos Juscelino Kubitscheck e Ronald Reagan.
"Eu acredito no Brasil de Primeiro Mundo. Vamos arrumar a nossa casa. O país é uma piada aqui fora. A nação está de joelhos para o mundo. Saí daqui um comunistinha que tinha que roubar para comer. Quando cheguei aos EUA, eu vi um sistema que funcionava", diz.
O seu nacionalismo vem desde a infância, quando um professor abraçava a bandeira brasileira durante as aulas na Escola Estadual Pereira Barreto, na Lapa (zona oeste de SP). Desde então, seja nas redes sociais ou em entrevistas, sempre carrega consigo o verde-amarelo.
"Jamais se viu um Rey sem a bandeira do Brasil. Agora eu volto faca na bota [mais forte e experiente].Sou tarado pelo Brasil". Mesmo morando na América, Rey se alistou nas Forças Armadas do país.
Caso eleito no Congresso, promete tocar o Hino Nacional todos os dias e hastear bandeiras verde-amarelas em todos os lugares. Isso, de acordo com Rey, é uma forma de trazer de volta a autoestima e o patriotismo dos brasileiros, desgastados pela crise econômica e os escândalos de corrupção.
Outro fator que prejudica o país é a forma errada de governar que não é democrática, diz.
Rey afirma ser a única voz da verdadeira direita, pois há muitos partidos que, na prática, não seguem a ideologia
"Esse bolchevismo e marxismo nunca funcionou. O Brasil vive uma anarquia. Qualquer partido que tem social no nome não segue a direita verdadeira. Eu pensava que a democracia brasileira tivesse vozes da direita, esquerda e centro", avalia.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/09/1923136-cirurgiao-das-estrelas-dr-rey-pretende-ser-presidente-em-2018-com-eua-como-modelo.shtml
Tecnologia do Blogger.