Polícia Civil indicia oito pessoas por Homicídio após incêndio na Pague Menos em Camaçari - Camaçari Aquitem - O seu portal de notícias de Camaçari e RMS

Header Ads

Polícia Civil indicia oito pessoas por Homicídio após incêndio na Pague Menos em Camaçari

Resultado de imagem para incendio paguemenos camaçari
O incêndio na farmácia Pague Menos que resultou na morte de 10 pessoas e feriu outras noves em Camaçari terá oito pessoas indiciadas por homicídio e tentativa de homicídio. A conclusão do inquérito sobre a investigação do incêndio foi apresentada nesta sexta-feira (26), pela delegada Thaís Siqueira, titular da 18ª Delegacia Territorial (DT), de Camaçari, em coletiva à imprensa no auditório do edifício-sede da Polícia Civil.
Acompanhada do perito criminal Eduardo Rodamilans, coordenador de Engenharia Legal do Departamento de Polícia Técnica (DPT), a delegada disse aos jornalistas, que chegou a essa conclusão baseada no depoimento de mais de 60 pessoas e nos laudos produzidos pelo DPT. Segundo ela, os envolvidos agiram diretamente para o desfecho dos fatos ao infringir as normas regulamentares relacionadas ao trabalho de manutenção que vinha sendo realizado na loja.
Josué Ubiranilson Alves, diretor da empresa Pague Menos, Augusto Alves Pereira, gerente regional, Maria Rita Santos Sampaio, gerente da unidade incendiada em Camaçari, Erick Bezerra Chianca, sócio da empresa de manutenção Chianca, Rafael Fabrício Nascimento de Almeida, sócio da empresa de manutenção AR Empreendimentos, e Luciano Santos Silva, técnico em refrigeração pela AR, vão responder por homicídios por dolo eventual e tentativas de homicídio das nove vítimas que ficaram feridas.
Irregularidades
Já Fernando Vieira de Farias e Edilson Soares de Souza, funcionários da empresa de manutenção Chianca, foram indiciados por homicídio culposo, visto que agiram com negligência. No local do incêndio, a perícia encontrou botijões de gás GLP e soldas elétricas que estavam sendo utilizadas pelos operários que trabalhavam nas obras de reparo do telhado e do sistema de ar-condicionado da loja.
O perito Eduardo Rodamilans explicou que várias irregularidades foram observadas na execução da obra, expondo a riscos os funcionários e clientes do local.
“O gás GLP estava sendo utilizado para soldar objetos num ambiente fechado e sem ventilação adequada, o que aumenta o risco de explosões. Além disso, os materiais inflamáveis não foram retirados da loja durante a obra”, exemplificou o perito, acrescentando que a explosão causou o desabamento da estrutura da loja.
O inquérito concluído pela delegada Thaís Siqueira foi remetido ao Ministério Público (MP), de Camaçari, no final de março, e contava com mais de 350 páginas.
“Não restou dúvidas de que todos os indiciados sabiam dos riscos e, mesmo assim, consentiram a abertura da loja naquele dia”, salientou, acrescentando que os laudos do DPT foram fundamentais para a conclusão dos trabalhos.
Com informações da Ascom/Polícia Civil
Tecnologia do Blogger.