Arriscou a vida para tirar “selfie” com anaconda - Camaçari Aquitem - O seu portal de notícias de Camaçari e RMS

Header Ads

Arriscou a vida para tirar “selfie” com anaconda


Carlos Andrade tem 22 anos e trabalha na área da pecuária. Tornou-se agora alvo de atenção por ter tirado uma “selfie” com uma anaconda no rio Nhamundá, no Brasil, a 375 quilómetros de Manaus, capital do Estado do Amazonas. Publicou a fotografia na sua página do Facebook, no sábado, e o post já se tornou viral.
Em entrevista ao portal A Crítica, da cidade brasileira de Manaus, Carlos Andrade revelou ser um apaixonado por animais. E sobretudo por tirar selfies com eles, o que o levou a arriscar e a posar junto de uma cobra que teria entre quatro e cinco metros, capaz de o sufocar.
Eu estava no sítio com os meus pais e decidi tomar banho de rio. Quando me aproximei, avistei a cobra de longe. Pensei que ela estava morta e peguei um pedaço de pau para mexer nela, mas ela começou a subir para a superfície da água”, contou o jovem.
Antes de entrar na água peguei o celular. Ela teve a paciência de me esperar. Fui devagarzinho e a cobra ia se deslocando. Quando ela parou, me aproximei ainda mais e fiz vários selfies. Quando eu acabei, ela saiu para o outro lado. Neste momento estava dentro da água”, lembrou Carlos Andrade.
Depois, são e salvo, Carlos Andrade assentou os pés na terra e percebeu que arriscou. Muito. Além de ter ouvido "das boas" da parte da sua mãe.
Senti medo demais, porque já ouvi falar que essas cobras são muito traiçoeiras, poderia ter me atacado se eu não tivesse visto ela. Na foto parece que estou sorrindo, mas estava preocupado. A água estava no meu pescoço, se ela tentasse me enrolar não teria como fugir. Minha mãe ficou muito brava quando falei para ela. Brigou comigo”, contou Carlos Andrade.

Selfies com animais

Especialistas ouvidos pelo G1, canal de comunicação pertencente ao Grupo Globo, consideram que o mais provável seria o animal, que teria uns quatro a cinco metros de comprimento, atacar o rapaz.
Na verdade, ela foi-se afastando à medida que eu entrava no rio. Parecia ter algo na barriga. Por isso, não se mexia. Tirei a fotografia e saí da água. Depois, já não a vi mais”, contou ainda Carlos Andrade.
Segundo Luciana Frazão, investigadora da Universidade Federal do Amazonas, não existem registos frequentes de ataques a humanos feitos por anacondas.
A especialista explicou que a espécie em causa, uma sucuri, da família Boidae, não é venenosa, mas é um animal que pode atingir grande tamanho e força.
Apesar de não serem venenosas, mordem e podem afogar uma pessoa, por terem muita força”, expôs Luciana Frazão, avisando quem se encontrar com um animal destes, a manter distância e respeito.  
No caso, foi tudo o que Carlos Andrade não fez. Ao portal A Crítica revelou que uma das suas atividades preferidas passa por conviver com bichos, normalmente, vacas e cabritos, como refere na sua página no Facebook. "Eu sempre tiro selfies, principalmente com os animais. Gosto desde quando era criança de animais, se eu pudesse morava com eles”, referiu, acrescentando algum contentamento pela fama que a anaconda lhe emprestou.
Assim que eu postei, meus amigos começaram a comentar. Agora me falam que estou ficando famoso. Estou muito feliz. Já tentei tirar uma foto com um jacaré bem grandão, mas ele saiu . Dessa vez deu certo”, disse.
Tecnologia do Blogger.