Notícia sobre projeto de lei que prevê cota para homossexuais em concursos públicos é falsa - Camaçari Aquitem - O seu portal de notícias de Camaçari e RMS

Header Ads

Notícia sobre projeto de lei que prevê cota para homossexuais em concursos públicos é falsa

Resultado de imagem para Notícia sobre projeto de lei que prevê cota para homossexuais em concursos públicos é falsa

Texto que circula nas redes sociais desde o início do mês atribui projeto fictício a deputado federal que não existe

É falsa a notícia que vem circulando no WhatsApp e em redes socias que afirma a existência de um projeto de lei na Câmara dos Deputados que estabelece cota de 15% das vagas dos concursos públicos federais para homossexuais e transexuais. A notícia falsa foi inicialmente postada no site Folha Brasil, no dia 7 de abril, e ganhou repercussão após ser citada por um vereador de Natal durante um discurso, dias depois.

O texto afirma que o projeto seria "de autoria do deputado Marquinhos Freire (PT-BA)" e já teria sido aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, já contando com o apoio de 254 deputados federais. Consultando o site da Câmara, é possível se constatar que não existe nenhum deputado chamado Marquinhos Freire, tampouco um projeto de lei que aborde o assunto.

Foto: Reprodução

Posteriormente, porém, o tema voltou a circular nas redes após o vereador Cícero Martins (PTB) criticar o projeto falso durante discurso na Câmara de Natal. Em alguns dos compartilhamentos, o projeto passou a ser atribuído ao deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), identificado com as causas da população LGBT.

— Originalmente, essa falsa notícia começou a circular sem ser atribuída a mim. A princípio foi atribuída com um nome falso, de um deputado que não existe. Mas aí um vereador estúpido (...) leu essa falsa notícia na internet e fez um discurso contra a falsa noticia, contra o falso projeto e contra o falso deputado — afirma Wyllys, que completa: — Um vereador ganha um salário razoável, ele poderia simplesmente usar um dos assessores para fazer uma consulta na internet, e descobriria que a notícia é falsa.
Tecnologia do Blogger.