Secretário de Segurança do Espírito Santo diz que punirá PMs e familiares - Camaçari Aquitem - O seu portal de notícias de Camaçari

Secretário de Segurança do Espírito Santo diz que punirá PMs e familiares

Anuncie aqui 71 993179391

O secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, engrossou o tom em relação ao protesto dos policiais militares que se recusam a fazer o patrulhamento das ruas capixabas há sete dias. Garcia disse que os PMs serão indiciados por crimes militares, terão o ponto cortado e não vão receber pelas escalas especiais. Além disso, o secretário prometeu punir as mulheres que estão a frente do movimento e garantiu que elas não sairão isentas desse protesto.

— As mulheres serão responsabilizadas também pelos custos da mobilização das forças armadas. E vale ressaltar que elas não estão aceitando negociar. Mas nós não seremos fracos. Vamos fazer prevalecer o império da lei. Estão (a PM) descumprindo a Constituição — disse Garcia.

Já o comandante geral da PM, coronel Nilton Rodrigues, detalhou melhor os indiciamentos do policiais. Ele informou que já indiciou 703 policiais militares por crime de revolta, com penas que podem chegar a 20 anos de prisão.

O secretário de Direitos Humanos do Espírito Santo, Julio Pompeu, disse em entrevista a TV Gazeta, afiliada TV Globo no Espírito Santo, que o prazo para os policiais militares aceitarem a proposta do governo terminou às 6h desta sexta-feira. Com isso, segundo ele, a mesa de negociações com as lideranças do movimento "perde sentido". Entretanto, ele não adiantou quais medidas serão tomadas nas próximas horas.

— Precisávamos do prazo para saber se nos quartéis vão aceitar a proposta e vão voltar às ruas. Chegamos às 6h, a força policial não foi para as ruas, ou seja, não aceitaram nossa proposta, a mesa de negociações perde sentido. Agora, caberá às Forças Armadas, que assumiram o comando da segurança pública no estado, decidir as medidas necessárias tomar para o restabelecimento da lei e da ordem — afirmou Pompeu.

Nesta quinta, o Comando da Polícia Militar do Espírito Santo deu início a procedimentos para punir mais de 300 policiais acusados de participar da paralisação. As investigações indicam atos de motim ou revolta.
Tecnologia do Blogger.